Página 1 de 1

Transmissão

MensagemEnviado: 29/Set/2006 11:36
por Adriano di Salles
possoal to com um probleminha basico pra quem ainda esta engatinhando com um BR 800.
eu nunca tive um carro com potencia inferior a 1.6, e o meu foçante (nome carinhosissimo dado ao meu BR 800, verde garrafa, todo original) tem apenas 0.8 de potencia rrrssss
bem morro de medo de pisar fundo e o motor nao aguentar, e uns dizem que eu tenho que pisar fundo.
qual a verdade nisso???
como eu devo usar as marchas dele
o cambio é o original de 4 machas e etc.
quais os tempos???
ah o meu motozaummmm ta afiadissimo, enxuto e bruto.

Transmissão

MensagemEnviado: 01/Out/2006 07:09
por Fernando João
Adriano di Salles,

A recomendação é de não forçar o motor em rotações muito baixas.

O mais baixo consumo está na faixa média de rotação do motor, na sua faixa de torque máximo (M.P. BR-800, pág. 17)

Lembrando que o torque máximo (momento de força), segundo o Manual do Proprietário - BR-800 (pág. 27), se dá em 2500 rpm.

Considerando pneus, motor e câmbio originais, 2500 rpm equivale as seguintes velocidades:
    1a - 17km/h
    2a - 30km/h
    3a - 47km/h
    4a - 65km/h
Para dirigir econômicamente, segundo o manual, deve-se observar os seguintes limites de velocidade (aproximadamente 2900 rpm):
    1a para 2a - 20km/h
    2a para 3a - 35km/h
    3a para 4a - 55km/h
A quarta marcha é uma marcha de economia. Para melhor desempenho, deve ser utilizada acima de 70km/h.

Para um máximo desempenho, segundo o manual, deve-se observar os seguintes limites de velocidade (aproximadamente 4900 rpm):
    1a para 2a - 35km/h
    2a para 3a - 60km/h
    3a para 4a - 90km/h

Retirei essas informações do Manual do Proprietário - BR-800, páginas 16, 17 e 27.

MensagemEnviado: 01/Out/2006 13:47
por markus goetz hagedorn
Adriano,
as especificacoes do manoel evidentemente estao corretas, mas nao se esqueca de mandar verificar se o teu girabrequim esta com a folga normal. Reduzir para a terceira a 80 km/h numa subida e necessario para manter uma boa média mas pode ser fatal para um girabrequim "folgado" (sei do que estou falando...). Ao contrario do que acontece no motor do fuca, ele esta apoiado apenas na parte dianteira e traseira do bloco, o que associado a problemas de grande peso da peça e/ou controle de qualidade insuficiente faz com que o gira se parta com uma certa facilidade, sendo hoje uma das peças mais cobiçadas no mercado.
Boas reduzidas
Markus